segunda-feira, 28 de julho de 2014

os olhos na serra


curvas sinuosas de noite e luar
com os lobos na serra a uivar
reflexos ténues de olhos aos pares
e eu, marinheiro, imaginando outros mares
sonhando o silêncio na estrada vazia
na moto seguia, criança, por estreita via.

(mas era o meu pai que a conduzia...)



quinta-feira, 17 de julho de 2014

sem margens

luís castanheira
Amor... amor bravio
indomado
puro e desarvorado
corre nas veias como um rio.



terça-feira, 15 de julho de 2014

janelas abertas

foto: sofia almeida
na copa das árvores oiço o vento
como se o mar ali batesse perto
do rugido de ondas e mar aberto
som parecido como um lamento
murmúrio que acalma mas não vejo
o porquê de tão intenso e profundo desejo
como um lampejo 

- é a música do meu Tejo!

LM_



segunda-feira, 7 de julho de 2014

o momento

foto: luís m castanheira

momento a momento
...a cada momento
único no firmamento.

é esse momento
que o olhar perscruta
e o ouvido escuta
e o coração guarda
e a vida acontece...
desejado em prece
onde a paixão arda
somado a tantos
ou em rios de prantos
que o sorriso nasce.

(dedicado à Sofia)
26 de Maio de 2014 às 21:31



quinta-feira, 3 de julho de 2014

o ninho da serpente

YaxchilanDivineSerpent
lisboa_museu da cidade_luís castanheira

voz empolgada
logo à chegada
olhar ausente
vazio em frente
espaço perdido
sem um sentido
ontem real
hoje fatal

o mesmo espaço
o mesmo passo
outro discurso
o mesmo curso
como é penoso
pernicioso
ouvir o mesmo
noutro compasso

LM_jul.2014




quarta-feira, 2 de julho de 2014

in memoriam

foto: luís m castanheira
o mar foi o teu olhar
tua paixão
na pena do poema 
no coração
e a liberdade
fez-se verdade
na tua mão
cada palavra
vertida
sentida
no verbo amar

(para a Sophia hoje no panteão)

LM_02.jul.2014