segunda-feira, 11 de abril de 2016

a terra que sonhaste...


pelo teu pequeno corpo
de bruços deitado
no limite da praia
passa o meu desgosto
ao vêr-te sem rosto.

teus olhos escondidos
pela areia, feridos
já não veem a terra
que te daria abrigo.
morres, após tanto perigo
na fronteira da guerra.

5.set.2015

Sem comentários:

Enviar um comentário