sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Guernica (nunca mais...)


Guernica, de Pablo Picasso (1937)

era um tempo de penumbra
nas facas longas da loucura
feia manhã nos gritos de secura
que das gargantas roucas saiam.

mais alto do que rochedos
num mar de tempestade
erguiam-se as ondas do ódio
devastando a casta mocidade.

e dos píncaros das nuvens desciam
aves de metralha que expandiam
a morte dos corpos estilhaçados.

sem piedade, Guernica foi 
pintada de sangue e mortandade.

("a razão da força é a força da razão")



Sem comentários:

Enviar um comentário