terça-feira, 27 de dezembro de 2016

infância

"O trabalho não é virtude, nem honra; antes veria nele necessidade e condenação. É, como se sabe, consequência do pecado original."
in: Agostinho da Silva_ Considerações

nós éramos assim...

as crianças adiadas
quase sempre infelizes
e quade sempre cansadas.

éramos o tempo parado
em relógios sem horas
ponteiros de silvo odiado
no rugindo das demoras.

éramos o fim começado
com semana inglesa
e a mais dura certeza
de aprender a ser escravo.

moldavam-nos a vontade
e matavam-nos a liberdade.

(não me venham falar de trabalho...)

mas ao fim do dia...
libertos das infâncias aprisionadas 
materalizávamos brincadeiras inventadas. 

todo o futuro parecia uma distância incomensurável

naquelas horas, até ao jantar 
o tempo corria, como se não houvesse outro dia.

os carros de bambu e caricas
na finura construção
pela nossa mão
os ensaios musicais
de instrumentos rudimentares
as canções do roberto carlos
ou narrativas dos poucos filmes 
até então vistos
"cântiflas" e  cow-boys
era o imaginário das nossas vidas 
em tal cenário.

criavamos um mundo feliz
tão longínquo e tão perto...

mas nas tardes de domingo
a ana maria 
aquela linda flor
no tanque, a tomar banho 
despertava-me todo o amor

as suas pequeninas 
maminhas em borbotos
a despontar 
eram os meus sonhos de 
todas as noites...
mesmo ao acordar
onde o trabalho já não era
naquele dia um penoso lugar
(benditos amigos...e suas irmãs)

2 comentários:

  1. Curioso, ou talvez não, o facto de, à medida que decorre a infância, a espontaneidade se ir diluindo, gradualmente. Benefícios da educação, a preparar-nos para um mundo que nos quer a seu jeito?
    Um poema que, dentro da sua beleza, como quem não quer a coisa, sabe pôr o dedo na ferida.

    ResponderEliminar
  2. Meu Amigo,

    A segunda vez que tu me faz chorar (no poema musicado
    do Pessoa e agora aqui neste tão belo e dorido poema...)
    ...rss
    Admirável a tua expressividade poética e competência
    junto com uma fonte de inspiração que reflete a tua
    sensibilidade e bela humanidade tão rara que me
    comove e me deixa feliz também de saber que existem seres
    raros no caminho da Poesia...
    Deixo meu carinho com meus votos de 2017 luminoso,
    pacífico, pleno de realizações para ti e extensivos
    aos teus familiares.
    Agradeço teus votos e carinho no meu espaço.
    Um beijo e abraço de paz!

    ResponderEliminar