domingo, 11 de dezembro de 2016

um olhar


degraus e patamar
sobe-se ou desce-se
como a vida
e só fica um olhar
[ao passado]
aqui
no patamar...




7 comentários:

  1. Por algum lado se há-de começar.E agora veja a sorte dos sem abrigo, pelo Natal - https://vieiracalado-poesia.blogspot.pt/2016/12/natal-dos-sem-abrigo.html Saudações natalícias!.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. da-se-lhes um jantar, um só, pelo natal (mais frequente, semanas antes, para não estorvar),
      correm-se dos abrigos da chuva e do frio, da estação do oriente...e logo no pior momento, dezembro,
      e depois, digam lá : "aliviamos as nossas consciências".
      em lugar de se chamarem "sem abrigo", deveriam ser "gente em perigo".
      um abraço e bom natal.

      Eliminar
  2. Degraus, patamar
    que vão dar
    a um qualquer bar
    Alcântara-mar?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. o humor...
      no bom vinho.
      bebo a isso
      com sabor.

      Eliminar
  3. O olhar da poesia, do poeta se inscreve na linha do tempo,
    quase de eternidades, sinto o olhar da poesia
    nestes instantes que eternizam...

    Poema muito belo, meu Amigo!
    Beijo.

    ResponderEliminar
  4. e no patamar da vida
    tanta vida se constrói
    tantos degraus se eternizam
    nas encruzilhadas da vida ...

    um poema curto e bom

    beijinho

    :)

    ResponderEliminar
  5. o patamar é sempre lugar de passagem, parece-me.
    por vezes franquear os umbrais e como derrubar pontes - não há regresso!

    noutras, viram-se as costas e nem as escadas se sobem.
    assim a vida.

    forte abraço
    (de portas franqueadas)

    ResponderEliminar