sexta-feira, 11 de março de 2016

sinais

desatento aos sinais
e preso aos sentidos
não há ilusões reais
dos tempos perdidos


rebusco mais fundo
a memória sem fim
e só o vazio do mundo
se depara em mim.