quinta-feira, 23 de março de 2017

sete vidas e um senão


No meio da ponte
Sete rios convergentes
Sete sentidos descendentes
E a fonte

No meio dos seios
Sete vales emergentes
Sete pulsares latentes
E os meios

No meio da ilha
Sete vulcões fulminantes
Sete caudais rompantes
E a quilha

No meio do poema
Sete sílabas afiadas
Sete sombras perfiladas
E o diadema

No meio da vida
Sete anos de servidão
Sete aros de comunhão
E o ermida

No meio do céu
Sete partilhas estrelares
Sete mundos anelares
E o véu.

Quanto mais se destapa
Tanto mais tapado fica. 




quarta-feira, 15 de março de 2017

branca rosa



Foto Luís M

das rosas que te dei
uma foi a que amei
e essa branca rosa 
tão rara quanto minha
tinha espinhos tinha.
- pena não ser mimosa!


terça-feira, 14 de março de 2017

a espera


Todd Williams

a hora não era  
(ainda)
e antecipava-te
na espera.

e a ausência
no tempo
que em ti era
era amor
que tivera.

......

Nos meus gestos matinais levo o dia 
ao quarto escuro do sono
Olho a penumbra à minha volta e, onde estiveste, permaneces.
Quero chamar-te na suave carícia da palavra sussurrada
E o torpor do teu corpo adormecido
contamina-me a mente.
Saio pé-ante-pé sabendo quanto dói o abandono.
Quando, novamente, chegar a noite,
deitar-me-ei
Para, no acordar, sejas o teu corpo e tua mente por inteiro.


sábado, 4 de março de 2017

interioridades


Na minha terra não há rios
nem há mar
deixamos de os escutar
Na minha terra não há sorrisos
nem olhares
só gente idosa sem seus pares
Na minha terra não há festas
nem cantares
foram-se as vozes ao emigrar

Na minha terra há só um fim
a espreitar 
no interior o deserto a chegar.