quarta-feira, 27 de junho de 2018

do poema que abracei...

Aqui:
batem à porta
pergunto quem é 
quererem entrar
trazem abraços
a que não posso chegar.

toda a casa é silêncios 
deitada
só o poema voa ao meu redor
acabado de entrar 
pela janela sem estore.

fico sem saber
se a porta é real
ou a janela
é miragem por igual.

lm_27.jun.2018

4 comentários:

  1. a Poesia é teu hóspede permanente,
    convive contigo com toda a naturalidade...

    abraço, caro poeta e amigo

    ResponderEliminar
  2. Gosto da palavra PORTA
    Como símbolo sagrado,
    Onde um místico soldado
    Proteje a alma em hora morta.

    A porta aberta, conforta.
    Fechar a porta, é um dado
    De repulsa ou um estado
    De conduta meio torta.

    O que importa, em resumo
    É uma porta em nosso rumo
    Sempre aberta ao abrigo

    Em noite tempestuosa.
    Quem desse conforto goza,
    Conta com a porta de um amigo!

    Grande abraço. Laerte.

    ResponderEliminar
  3. A poesia tem este voo que transcende como
    arte expressiva e que liga dois poetas em
    seus voos de palavras: a Lídia Borges e o
    Luís Castanheira.
    Apreciei muito, Luís!!
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  4. Voar com as palavras. Até um lugar onde as sombras desaparecem…
    Um poema com a simplicidade que faz do que se diz um dizer certo…
    Um beijo, Luís.

    ResponderEliminar