quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Partida

Vera Cruz.
Não é Terra
não é Luz
não é Serra
não é Mar
não é Sonho
e nem é Ar.
É um barco a se Afastar
do Molhe.
Nele Parte
a Navegar
quem me deu Arte.



Pai...vês-me?

Esta noite sonhei contigo, pai:
Era eu pequeno e tu jovem em pé
davas-me a notícia da nossa partida.
Serenos ficámos olhando o espaço
entre mim e ti e os meus olhos sonharam
o que os teus desejavam.

Apesar dos meus medos 
desejava desvendar contigo futuros segredos.


domingo, 19 de outubro de 2014

ode II

a onda que vem...a onda que vai
o sonho que se tem... o sonho que se esvai.

I
em mar deitado
o sonho expirado
a areia molhada
a onda calada
um barco à deriva
sem a sua diva
as conchas no ar
a quererem pairar
gritos de gaivotas
nas ilusões mortas
e um horizonte
de rio sem fonte
espelhando o céu
dum azul só meu.

II
o mar deitado
a areia molhada
o sonho expirado
a onda calada.

um barco à deriva
nas conchas do mar
sem a sua diva
a querer pairar.

gritos de gaivotas
frente ao horizonte
em ilusões mortas
como rio sem fonte.

o céu espelhado 
de doce momento
um azul raiado
neste firmamento.


sexta-feira, 10 de outubro de 2014

ângulo raso


Sou mais pessoa com Pessoa
mais feliz por aquilo que não fiz
habito a mesma cidade, Lisboa
e ela, bela, é a minha meretriz.
(é bela, a terra que sempre quis)

A solidão não a tenho nesta mão
mas sirvo-me da doida desilusão
do tempo voado, parado, queimado
em que escrevo preso ao meu Fado.

Sonho igual, no sonho inacabado   
entre gente,  de não ser inteligente
poder servir-me de mim mesmo, do
querer pensar e algo de novo criar.

Já tudo foi inventado...acho eu!
já o mundo foi recriado...mudado
já o sonho é agora alienado...finado
mas há sempre nova forma de o ver
num prisma, numa lente, num olhar
para sentir que o posso ainda amar. 


espelho

Eu sou eu mais o espelho só meu
o outro por fora e dentro sou eu:

dois mundos, 
dois tempos, 
dois espaços
naquilo que sou,  
naquilo que sinto, 
naquilo que faço.

vivendo um só mundo, 
estando um só tempo, 
ocupando um só espaço,
uma só dimensão

sou só uma viagem por dentro da luz!...


sexta-feira, 3 de outubro de 2014

ode I


a minha visão é o mar
o meu sonho navegar
minha prisão o cantão
fechado na minha mão
já percorri os oceanos
terras distantes de anos
já bebi todas as águas
nos rios e suas fontes
já subi todos os montes
e senti toda as mágoas
só não saí onde estou
no mundo que me restou.