segunda-feira, 11 de abril de 2016

por uma gota de orvalho...

 
por uma gota de orvalho, eu hei-de ser...

por sobre o campo raso hás-de passar
altiva sombra sem me olhar
e eu, cato silvestre, espalhando aroma
preso ao chão húmido, terra de goma
no infinito desejo de te abraçar.

não mais verás tão doce cor
manhã chegada, desperta dor
não mais terás teus olhos presos junto aos meus
e sentirás o quanto magoam os passos teus.

perde-se o mistério deste querer
mais que o amor, poder viver
mais que o saber, poder voar
sob teu corpo, poder sonhar.

anseio louco, olhos de luz a marejar
estrela d'oiro, para te ver, mais uma vez
só outra vez...a acalentar
tão grande amor, que poderia ser.

como eu te adoro, gota-poema
tão leve e bela como uma pena.

não mais serás o meu destino
não mais terás o meu carinho
preso que estou no teu caminho
sem nunca ser o teu menino.

fica tão longe o húmus acre do teu querer...
que desespero por não te achar
...ou te perder.

lmc

há um rio...

há um rio

há um rio perdido ao olhar
há um rio, sim, há um rio
escondido, perdido no mar
correndo, preso por um fio
grito desprendido na solidão

sim, há um rio esperado em ti
uma voz sussurrante na mão
margens de braços abertos
onde explode submersa paixão.


....

primeiro beijo

Recordo o meu primeiro beijo
intenso e húmido do desejo
na tarde, feita noite, tanto encanto...
os néons da cidade deixando rasto
em piso molhado, já tão gasto
na juvenil memória, hoje pranto.
... a chuva é um círculo
juntando pétalas de orvalho.

mulher

Mulher
um dia, um ano, uma vida
... na minha vida,
há a mulher
com um Deus por dentro
e ternura no olhar.

abraço-te, como se o Mundo fosses tu.

(dia internacional da Mulher)
lmc

a terra que sonhaste...


pelo teu pequeno corpo
de bruços deitado
no limite da praia
passa o meu desgosto
ao vêr-te sem rosto.

teus olhos escondidos
pela areia, feridos
já não veem a terra
que te daria abrigo.
morres, após tanto perigo
na fronteira da guerra.

5.set.2015